As transformações em curso na suinocultura mundial e sua influência na forma como se produz suínos foi o foco central da palestra ministrada por José Henrique Piva no evento realizado pela cooperativa catarinense. 

 

O Diretor de Serviços Técnicos da PIC-EUA, José Henrique Piva, participou no dia 13 de dezembro, em Concórdia (SC), de um encontro promovido pela Copérdia. Realizado na Associação Cultural, Esportiva e Recreativa Copérdia/Crediauc (ACERCC), o evento reuniu a equipe técnica de Suinocultura da cooperativa e seus produtores integrados.  

 

Na oportunidade, Piva traçou um panorama da suinocultura mundial, enfocando seus principais desafios, e também destacou as mais recentes inovações nas áreas de manejo, genética, nutrição e equipamentos. “Durante minha palestra procurei apresentar as principais transformações em curso na suinocultura mundial e explicar de que forma elas vêm impactando a forma como se produz suínos”, afirma. “Meu intuito foi demostrar aos produtores que é preciso estar atento às mudanças e que a adoção de novas tecnologias, assim como de modernos sistemas de gestão, é crucial para se manter competitivo na atividade”.

 

De acordo com Piva, o maior desafio para o suinocultor nos dias de hoje é produzir com qualidade, custo competitivo e em total consonância com as exigências ambientais, sociais e de bem-estar animal.

 

Vocação para a suinocultura

Segundo Piva, o Brasil tem forte potencial para a produção de suínos. “A atividade suinícola está crescendo no país. O Brasil tem uma suinocultura altamente tecnificada, produtores competitivos e reúne todas as condições para aumentar seu protagonismo, tanto no mercado doméstico como no internacional”, avalia.

 

Vanduir Martini, Vice-presidente e Diretor Geral da Copérdia, esteve no evento e destacou que a cooperativa catarinense tem investido bastante para garantir o desenvolvimento contínuo de seu segmento de suinocultura. O dirigente também enfatizou a importância do empenho dos suinocultores para a conquista de novos avanços. “O foco do nosso trabalho é o crescimento com sustentabilidade. Para isso precisamos andar juntos e acompanhar o mercado, lembrando que são as nossas atitudes que geram resultados”, afirma Martini.

 

Com 50 anos de história, a Copérdia é a segunda maior cooperativa do ramo agropecuário em Santa Catarina. Além da suinocultura, a cooperativa catarinense atua na avicultura, bovinocultura de leite, indústria de ração, postos de combustíveis e supermercados; tratamento de madeira e unidade de sementes. Em 2016 a Copérdia registrou um faturamento de R$ 1,1 bilhão.

 

*Com informações e fotos da Assessoria de Imprensa da Copérdia.